quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Artigo: Carnavais santarenos de antigamente... (Parte final, por enquanto).

Pe. Sidney Augusto Canto

Para muitas pessoas que eram jovens nos anos de 1970 e 1980, a cidade de Santarém viveu os “Anos Dourados” do Carnaval de Rua. De fato, nesta época, o carnaval santareno chegou a ser considerado como o melhor carnaval do interior do Estado.

No final do anos 1960, era introduzido no carnaval de rua, agremiações de Enredo. Até então os blocos eram de animação e empolgação, muitas vezes conhecidos como “blocos de sujo”, onde além da animação musical e fantasias, havia o resquício dos antigos “entrudos”, feitos com muita maisena e trigo.


Uma batalha de confete na Avenida Tapajós no início dos anos 1980

Promovidos pela Prefeitura, as “Batalhas de Confetes” ocorriam em praças e avenidas da cidade de Santarém, em finais de semana que antecediam o carnaval santareno, houve anos que elas aconteceram durante todo o mês de janeiro ou em todos os domingos de fevereiro, conforme a data móvel do carnaval. Nesta foto podemos ver o “Bloco da Cruzada” participando de uma Batalha de Confete na Avenida Tapajós, próximo à Praça Tiradentes. Foto: Acervo do Instituto Cultural Boanerges Sena.


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

O Rei Momo do Carnaval Santareno em 1987

No ano de 1987, Jácome Pita (foto) foi escolhido para ser o Rei Momo do carnaval de Santarém; pesando 120 quilos e com muita alegria, o mesmo abriu o carnaval santareno naquele ano, oficialmente na Praça de São Sebastião, que contou com a ausência do prefeito e do secretário de cultura, por conta da forte chuva que caía na cidade. Foto: acervo do Instituto Cultural Boanerges Sena.


O Carnaval da “Melhor Idade” em Santarém – 1987

Por iniciativa da então primeira dama municipal, Rosilda Campos, foi promovido o primeiro Baile dos Idosos no ano de 1987, na sede do São Francisco Futebol Clube. O evento contou com a escolha de rainhas e reis momos da “melhor idade” das comunidades de Alter do Chão, Mojuí dos Campos e Santarém.


Memória da Propaganda: Rainha das Rainhas - 1987

Em 1987, o recém-criado jornal “O Tapajós”, promovia o Baile Rainha das Rainhas, nas dependências do Iate Clube de Santarém. O Convite trazia a premiação da Rainha e da 1ª e 2ª Princesa do Carnaval Santareno.


Bloco de Rua no carnaval de Monte Alegre – 1980

Um dos atrativos do carnaval de rua são os populares “blocos de sujo”, remanescente das antigas brincadeiras de “entrudo”, espalhando trigo e maisena pelas ruas de Monte Alegre no ano de 1980.


O baile infantil do Bancrévea em Oriximiná – 1980

Um animado baile de carnaval infantil, realizado na sede do Bancrévea, em Oriximiná, no ano de 1980. “Mulher Maravilha”, “Ciganas”, “Odaliscas”, “Curumins Indígenas”, “Baianas”, entre outras fantasias, animavam a garotada.


O bloco “Fofão” descendo a Avenida na década de 1980.

Um dos blocos de animação que descia a Avenida Barão do Rio Branco na década de 1980 era o “Fofão”, onde os brincantes tradicionalmente se vestiam de palhaços, alguns mascarados. Foto do acervo do Instituto Cultural Boanerges Sena.


Carro abre alas do bloco “Unidos da Saudade” em Santarém

Santarém já chegou a possuir mais de dez blocos de enredo descendo a Avenida Barão do Rio Branco. Um deles era o “Unidos da Saudade”, que descia a avenida atrás de um bonito carro abre-alas, na década de 1980. Foto: acervo do Instituto Cultural Boanerges Sena – ICBS.


domingo, 19 de fevereiro de 2017

Memória da Propaganda: Baile do Hawai – 1987

Realizado pelo Tropical Hotel de Santarém, a propaganda do “Baile do Hawai” do ano de 1987, trazia como atração especial o cantor “Jamelão”, puxador da escola de samba “Mangueira”, do Rio de Janeiro.



A Escola “Chapeuzinho Vermelho”, campeã do carnaval de 1982

Apostando no enredo “Festa do Sairé”, a escola de samba “Chapeuzinho Vermelho” conquistou o título de campeã do carnaval de rua em Santarém, no ano de 1982, graças ao vigor do presidente da Escola, dr. Telmo Alves.



O bloco “Big T” no carnaval santareno de 1981

Os bailes carnavalescos do Centro Recreativo também eram animados por diversos blocos. Um deles, o “Big T”, foi presença confirmada no baile “Alegria até o Sol Raiar”, promovido pelo clube em 1981.



A Escola “Ases do Samba”, campeã do carnaval de 1979

Com o enredo “Lendas e Mitos”, a Escola “Ases do Samba” conquistava o título de campeã do carnaval santareno de 1979. O diretor da Escola, Laurimar Leal, apostou na simplicidade e na cultura amazônica e santarena para ganhar o título. A música do samba enredo foi composta por Vicente Fonseca, com letra de Renato Sussuarana.


sábado, 18 de fevereiro de 2017

Artigo: Carnavais santarenos de antigamente... (Parte 04)

Pe. Sidney Augusto Canto

As décadas de 1940 e 1950 viram acontecer diversas mudanças no carnaval Santareno. A principal delas foi a solidificação, cada vez maior, dos bailes de salão. Por outro lado, os bailes promovidos nas residências das famílias santarenas, os “assaltos” e os “sustos” foram diminuindo até desaparecerem, para a felicidade de muitas “assustadas“ vítimas.


Em 1949, além dos bailes dos clubes, o carnaval de rua continuava a acontecer, conforme podemos ver na notícia publicada no Jornal de Santarém de 26 de fevereiro daquele ano:

Memória da Propaganda: Loja “A Pernambucana”, em Santarém – 1935

Época de Carnaval também é tempo de anunciar e vender. A loja “A Pernambucana” aproveitava o carnaval para fazer isso com poesia e muita criatividade ao povo de Santarém.


terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Um distante e animado grupo musical em Santarém da década de 1930

Nos anos de 1930, era comum organizar grupos de músicos que animavam uma turma que iam brincar carnaval de casa em casa, “assustando” os moradores, pois não avisavam nada sobre a “invasão”. Nesta foto podemos ver um desses pequenos e animados grupos musicais, destacando-se, ao centro, o professor Luiz Barbosa.



quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Artigo: Carnavais santarenos de antigamente... (Parte 03)

Pe. Sidney Augusto Canto


Continuando nos anos de 1930, não podemos deixar de citar alguns fatos inusitados desses antigos carnavais santarenos. Um deles, marcante naquele tempo, sem dúvida nenhuma era a realização do “assustado”.

O “assustado” era organizado em dia de semana, geralmente quarta-feira, onde um grupo de foliões faziam coleta (a famosa vaquinha) para pagar um grupo de músicos. Reunido o grupo, partiam para uma casa pré-escolhida e, sem nenhum aviso prévio, entravam e faziam a festa deixando o dono da casa “assustado” (daí o nome). O pior, era que não acontecia somente o “susto”, havia também o “Assalto”, costume ligado ao primeiro, onde, literalmente se “assaltava” a dispensa (comida e bebida) dos já “assustados” moradores da cidade. Algumas famílias recebiam bem a inusitada trupe, outros, revidavam até mesmo na base da bala aos intrépidos foliões. Na década de 1930, um dos blocos que “assustavam” e “assaltavam” o povo santareno era o “Cigana Salientes”, que o faziam nos domingos e terças de janeiro. 

A posse da “Ilha Ponta Negra” em 1947

Em 1947, o Jornal de Santarém apresentava ao público a notícia da posse da “Ilha Ponta Negra”, no município de Santarém. A terra, formada por barro aluvião do rio Amazonas, curiosamente se tornou pertencente a uma “Olaria”.


O Bloco da Pulga na Avenida Barão do Rio Branco

A animação dos brincantes do Bloco da Pulga quando desciam a Avenida Barão do Rio Branco no início dos anos 1980. FOTO: Acervo do Instituto Cultural Boanerges Sena – ICBS.


O desabamento do Cais de Arrimo em 1986

Um forte temporal que caiu sobre a cidade de Santarém, na madrugada do dia 14 de outubro, uma terça-feira, provocou o desabamento de aproximadamente 40 metros do cais de arrimo na Avenida Tapajós. Curiosamente a empresa Estacon, já estava recuperando outra parte do cais, vizinho ao local do desabamento.